sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

A estação das chuvas

A estação das chuvas

Sou metade homem, metade lobo
Metade são e metade louco.

Na soma de algumas letras surgiu meu nome
E na soma de dias se fez minha vida.

Desde sempre minha alma teve algo de ferida
Como as risadas que o passado consome.

Mas na leveza dos abraços de amizade
A espuma das ondas se desfaz na imensidão.

Até no riso tem dor o coração
E todos os sonhos tem uma centelha de verdade.

Todos os poemas do mundo ainda são pouco.

Até mais ^^

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Eu só sei sentir medo


Eu só sei sentir medo

Pássaros mortos voam acima de nós 
Asas abertas seguras por fios invisíveis 
Que alguém de longe lança no ar 
Na biblioteca os livros se disfarçam no pó 
Também eu me disfarço, longe de olhares terríveis 
De crianças que só sabem odiar 
E eu só sei sentir medo.

Se os pés ficam do lado de fora 
É melhor cobri-los com o lençol 
Nas sombras o mal sempre espreita 
Todos sempre vão embora 
Crime que no coração fracassou 
Além de qualquer suspeita :
Eu só sei sentir medo.

Assustado, nos ombros peso de maldição 
Os anos passam em pesadelo 
O silêncio abraça o desespero 
Flores vermelhas são da tarde o coração 
Nuvens que voam no crepúsculo amarelo 
Mas no menino, só o medo é inteiro 
E eu só sei sentir medo.

Até a próxima ^^

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Painel de fumaça

Três anos. Depois de um bom tempo sem postar poemas resolvi que deveria voltar. A necessidade impetuosa de escrever nunca acaba e é covardia fugir dela. Muitas coisas mudaram e outras continuaram iguais, como eu. Espero que gostem do poema.

Painel de fumaça

Que a memória não seja inimiga da esperança.

Me lembro de quase morrer
E ver coisas esquecidas
Meu pai e eu no gramado de futebol
A madrugada febril nos braços de minha mãe
E adiante de tudo um caminho sem fim.

Me lembro ainda de quase viver
E ser uma mente iludida
De rezar debaixo do lençol
Sob a chuva riscada pelo raio que cai
Como uma luz do céu vindo até mim.

Que a esperança não seja inimiga da memória.


Até mais.

segunda-feira, 6 de abril de 2015

O ladrão e as almas perdidas

Bom domingo pra vocês.rsrs(demorei mais de uma semana pra decidir um titulo)

O ladrão e as almas perdidas

Andando bem rápido
Alguém o persegue
Em silenciosos passos
No brilho de um amor pálido
A noite e a sorte entregue
Sinto falta de teus abraços

É o fim das almas perdidas
Deixem-o em paz!
O silêncio nada responde
Tantas glórias imerecidas
Mas agora tanto faz
A verdade se esconde

Ouvi falar de um fantasma
Um certo ladrão de lágrimas
Pois está tão morto que não pode chorar
Uma incerta alma
Ele é uma das vitimas
Sinto falta de teu olhar

É o fim das almas perdidas
Queriam de novo viver
Tem alguém olhando pra mim
É assim em todas as vidas
Meu amor,não há o que temer
É apenas o meu fim

Pois eu estava tão perto
Meu coração se desfez em ruínas
Tão cedo tive que partir
Talvez não esteja certo
Mas em sonhos esparsos como neblina
Sempre te vejo sorrir

Até mais ^^

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Me chame

rsrs fiz esse poema hoje,e realmente me empenhei nele.Espero que gostem

Me chame

Me chame para sair sábado a noite
Me leve pra dançar
Depois sussurre para mim
Me faça ser alguém
Tenha cuidado para que ninguém nos escute
Queria tanto poder falar
Mas não há palavras assim
Eu queria ir além

Eu quero esquecer todas as noites mal dormidas
Esquecer todas as coisas que já ouvi
Esquecer todo o meu coração
Não ter minha história em outras vidas
Não lembrar que já senti
Por alguma causa a dor da emoção

Queria me perder em devaneios
Queria algo incessante
Queria ser vizinho de teu jardim
Talvez perder meu receios
Perder o tempo restante
Chorando com medo do fim

Esperar que a noite não acabe
Esperar  próximo inverno
Esperar ter esperanças
Falar de algo que não se sabe
Espero que cada segundo seja terno
E quem sabe voltar a ser criança

Me dê motivos pra viver
Me faça gargalhar
Me obrigue a ficar calado
E depois que tudo isso acontecer
Minha alma vai sussurrar
Me chame para estar ao seu lado.

Até mais ^^

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Aqui sozinho

As férias me deixaram preguiçoso...
Aqui sozinho

Eu estava aqui
Como poderia estar em qualquer lugar
Mas eu não esperava
Que o céu de repente fosse cair
E não sei um lugar mais solitário para estar
Eu realmente não imaginava

Eu só espero não ter que ouvir
Seus gritos de guerra
Contra uma alma que nunca lutou
Não há para onde fugir
Sobre o céu e sobre a terra
Eu não sei onde estou

O sol nasceu novamente
E antes que eu pudesse falar algo
Já não havia para onde correr
Por que mente?
Meu coração é um  náufrago
Isso é tudo que eu queria dizer

Sempre eu espero
Que meus dias possam valer a pena
Que antes da derrota haja tempo de lutar
Pois sendo sincero
Numa história tão pequena
Minha vida não posso entregar

E se um dia eu contar uma mentira
Fugir da cidade
Seguir meu próprio caminho
Não estarei aqui esperando sua ira
Mais uma vez dizendo a verdade
Eu estava aqui tão sozinho...

Até mais ^^

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Numa noite calma

Eu estou demorando demais pra postar oq escrevo hahaha

Numa noite calma

Hoje eu me peguei
Olhando o mesmo familiar sorriso
De algum estranho
Horas eternas passei
Ouvindo a mesma música
Que como o esquecido sonho
Não me lembrava de ninguém

Um retrato na parede de meu quarto
Ou um texto sem autor
Talvez entre nós seja assim
E tudo que exista de fato
Seja nossas memórias não vividas
O principio e o fim
E o terror em nossas vidas

As ruas vazias
A estática do rádio sem estação
Eu nunca poderia dormir
Pensando em coisas só minhas
Preso em outros universos
Hoje eu quis não ter coração

E se na minha alma
Souber que os pesadelos não te dão paz
Ordenaria aos ventos
Que numa noite calma
Abrissem tua janela
E deixando tudo para trás
Te levassem até o céu
Apenas para brilhar como uma estrela

Até mais ^^